Wireless Attacks

[Wireless Attacks][bsummary]

WHATSAPP

[WHATSAPP][twocolumns]

SISTEMA OPERACIONAL

[SISTEMA OPERACIONAL][bleft]

CURSOS

[CURSOS][grids]

Governo chinês usaria o mecanismo de busca para rastrear usuários


RELATÓRIOS relacionados à alegada motor de busca censurado do Google para a China está ficando mais estranho a cada dia. O último relatório da The Intercept alega que o Google tentou suprimir um memorando interno que continha planos detalhados sobre como o governo chinês usaria o mecanismo de busca censurado  para rastrear os cidadãos que o usam.
Este memorando confidencial foi escrito por um engenheiro do Google que trabalhou no projeto. Acusou os desenvolvedores que trabalham no projeto de criar "ferramentas de espionagem" para o governo chinês monitorar seus cidadãos.
O memorando também revelou que o sistema de pesquisa codinome Dragonfly forçaria os usuários a fazer login para realizar pesquisas. As pesquisas realizadas, o endereço IP do dispositivo, os links nos quais clicaram, a localização do usuário e o número de telefone seriam armazenados pelo Google.
Todas essas informações serão compartilhadas com o governo chinês e uma empresa chinesa não identificada que teria "acesso unilateral" aos dados. A plataforma de busca permitiria ao governo listar “consultas sensíveis” sobre temas como política, liberdade de expressão, democracia, direitos humanos e protestos pacíficos.
Além disso, a empresa parceira chinesa também teria permissão para adicionar às listas negras de censura e “editar seletivamente as páginas de resultados de pesquisa”. Muitos funcionários do Google já conhecem o projeto Dragonfly e já protestam há algum tempo.
No entanto, a liderança do Google ficou furiosa ao descobrir que o memorando foi passado entre os funcionários que não deveriam saber sobre o projeto Dragonfly. Todos os funcionários que viram ou salvaram o memorando receberam um e-mail do RH pedindo-lhes para excluir o documento confidencial.
A China proibiu o Google em 2010, depois que a gigante dos mecanismos de busca se recusou a atender aos pedidos de censura chineses. Mas parece que o Google não quer perder receita potencial ao fechar os olhos para os 700 milhões de usuários de Internet da China - a maior comunidade online do mundo.
Como a China é famosa por atingir críticos, ativistas e jornalistas, a ideia de um mecanismo de busca monitorado pelo governo que possa rastrear facilmente usuários que buscam informações proibidas é terrível.


Nenhum comentário :